NOVAS TECNOLOGIAS

Estratégia genética reverte resistência a inseticidas


Os inseticidas são produtos químicos específicos para insetos, que custam mais de US$ 100 milhões para serem desenvolvidos e levados ao mercado, eles são essenciais para controlar os danos às plantações causados ​​por insetos que representam um desafio para a segurança alimentar.

Mas nas últimas décadas muitos insetos se adaptaram geneticamente para se tornarem menos sensíveis à potência dos inseticidas. Na África, onde mosquiteiros de longa duração tratados com inseticida e pulverização interna são as principais armas na luta contra doenças, muitas espécies de mosquitos em todo o continente desenvolveram resistência a inseticidas que reduz a eficácia dessas intervenções.

Um novo estudo de prova de princípio publicado na Nature Communications mostra que as unidades genéticas projetadas para a herança de viés chamadas alélicas podem ser aplicadas na ausência de tratamento com pesticidas para restaurar a suscetibilidade a inseticidas e níveis naturais equilibrados de populações de insetos.

Os biólogos da Universidade da Califórnia em San Diego desenvolveram um método que reverte a resistência a inseticidas usando a tecnologia CRISPR/Cas9. Os pesquisadores usaram a ferramenta de edição genética para substituir um gene resistente a inseticidas em moscas da fruta pela forma normal suscetível a inseticidas, uma conquista que poderia reduzir significativamente a quantidade de inseticidas usados.

“Esta tecnologia também pode ser usada para aumentar a proporção de uma variante genética natural em mosquitos que os torna refratários à transmissão ou parasitas da malária”, disse Bier, professor de Biologia Celular e do Desenvolvimento na Divisão de Ciências Biológicas da UC San Diego e sênior. 

No novo estudo, os pesquisadores empregaram essa estratégia de “impulso alélico” para restaurar a suscetibilidade genética aos inseticidas, semelhante aos insetos na natureza antes de desenvolverem resistência. 

“Através dessas estratégias de substituição alélica, deve ser possível alcançar o mesmo grau de controle de pragas com muito menos aplicação de inseticidas”, disse Bier.

“Uma possibilidade interessante é usar unidades alélicas para introduzir novas versões do VGSC que são ainda mais sensíveis a inseticidas do que VGSCs de tipo selvagem”, sugeriu Craig Montell, coautor deste estudo. “Isso poderia permitir que níveis ainda mais baixos de inseticidas fossem introduzidos no meio ambiente para controlar pragas e vetores de doenças”.

 

Fonte: AgroPages, 17/01/2022

Fonte da Imagem: jggrz – Pixabay

Tags

Notícias Relacionadas

Close
Optimized with PageSpeed Ninja