USO E APLICAÇÃO

Argentina registra incidência elevada do bicudo do algodoeiro


O monitoramento constante realizado por agentes do Serviço Nacional de Sanidade e Segurança Agroalimentar argentino (Senasa) verificou a presença do bicudo do algodoeiro em 300 armadilhas espalhadas por 9 departamentos da Província de Chaco, no Norte do país. Foi constatado um aumento na presença do inseto, considerado normal nesta época do ano.

Esta situação ocorre porque com a destruição das soqueiras pós colheita, o local onde vive a praga é retirado e o inseto migratório é atraído pelo feromônio das armadilhas. Também na última semana temperaturas acima de 25 graus favoreceram esse deslocamento.

Na fase de final de cultivo, quem produz algodão é solicitado a destruir a palha imediatamente após a colheita e, para a nova safra, 30 dias antes da semeadura, acionar as armadilhas para ficar atento à quantidade de população que permaneceu viva.

“Nesta época do ano, espera-se uma presença significativa do bicudo, porque ele está saindo de uma safra com ciclo intermediário-longo e sua taxa de crescimento atinge picos entre março, abril e maio dependendo do ano agrícola que passou, “explicou Julio González, responsável pelo Programa Picudo no Centro Regional Chaco Formosa do Senasa .

Periodicamente, agentes do Centro Regional Chaco-Formosa monitoram as estações de amostragem com 300 armadilhas estrategicamente localizadas em plantações de algodão que estão nos departamentos O’Higgins, Fontana, Comandante Fernández, Quitilipi, Independencia, Maipú, 9 de julho, 12 de outubro e Almirante Brown .

Fonte: Agrolink, 21/07/2021

Fonte da Imagem: Imagem de janeb13 por Pixabay.

Tags

Notícias Relacionadas

Close
Optimized with PageSpeed Ninja