NOVAS TECNOLOGIAS

Descoberta de um gene sexual da mariposa pode levar a um inseticida crucial


A traça europeia da broca do milho é uma das maiores causas de danos as lavouras, abrindo caminho através de vegetais e frutas. Custa quase US $ 2 bilhões por ano nos Estados Unidos monitorar e controlar o inseto. Um estudo recente revela que uma maneira de prever hábitos de acasalamento e desenvolver um possível “inseticida” para interromper a reprodução vem dos genes reprodutivos da mariposa europeia da broca do milho.

Os pesquisadores identificaram um gene nas mariposas que controla sua vida sexual. Este gene lança luz sobre a evolução da mudança de hábitos sexuais. O controle desse gene pode se tornar um método de controle de pragas, protegendo assim as safras das mariposas. Existem dois tipos de broca-do-milho europeia, chamadas E e Z, com o sexo ocorrendo principalmente dentro de cada grupo na natureza. 

O estudo segue a descoberta da mistura de moléculas que a fêmea emite para atrair parceiros a quilômetros de distância. Conhecido como “acasalamento seletivo”, um sinal é enviado pela fêmea e deve ser recebido pelos machos da mesma espécie para salvaguardar a sobrevivência da espécie. O gene, expresso no cérebro do homem e conectado a suas antenas, produz uma proteína que permite a ele cheirar os feromônios da mulher, sinais químicos usados ​​para atrair parceiros.

A broca europeia do milho é o principal alvo do “milho Bt”, uma das safras geneticamente modificadas de maior sucesso nos Estados Unidos. 

Fonte: AgroPages, 10/01/2022

Fonte da Imagem: Illuvis – Pixabay

Tags

Notícias Relacionadas

Close
Optimized with PageSpeed Ninja